sexta-feira, 21 de junho de 2013

Como é lidar com um esclerosado?

Hoje depois de não ter inspirações para postar antes, narrarei como alguns membros da minha família veem a EM.
Isabela e Mãe

Nome: Isabela L C Martins, casada 22 anos, irmã gêmea. Diz que se sente triste e inconformada. “Acredito que meu irmão encara a doença bem ou é aceitar e viver ou aceitar e ficar enfermo.” Ajudando como pode a Isabela diz que desde pendurar a roupa molhada na avó como também, evitar que ele ande longos caminhos. Afirma que assim é uma forma de amenizar o que ele sente.
Como é lidar com um esclerosado?  “É normal a não ser pela parte que doí muito ver alguém que tanto se ama precisar depender das pessoas, porém a carisma e a autoestima que ele esbanja continuam as mesmas.” Isabela diz também que ele pode ser até ser doente e sofrer calado, mas que não importa o grau de uma doença, quando se ama alguém nada se torna um fardo.

Nome: Márcia Liotti Cruz, 50 anos. Diz que se sente feliz por ser mãe de Neto. “Ele sempre foi uma pessoa sensível e maravilhosa.” O fato de ter descoberto a EM não alterou em nada o amor que sentia, pelo contrario, aumentou. “Somos amigos e nos amamos”.
No começo, logo quando a EM fora diagnosticada, estávamos com medo, pois nada se sabia sobre o assunto. Hoje vivemos bem e tranquilos. Apesar da EM limitá-lo, estou sempre disposta e ao seu lado para ajuda-lo e transporta-lo aos lugares. “Já percebi meu filho triste, logo tentei mostrar que ele é muito importante, além das pessoas que gostam dele como de Deus.” Existem alterações de humor às vezes, que logo são resolvidas com abraços e carinhos e tudo logo se resolvem. “Hoje brincamos e rimos com a EM, temos um Pai no céu que cuida de nós.”


Bom viver com a EM tem suas limitações, AGORA, ser bem cuidado é bom demais né? Não reclamo de ninguém, a não ser de pessoas ignorantes que por medo não ampliam seus conhecimentos. Na próxima postagem vou descrever como perdas podem interferir no meu tratamento, falarei sobre a morte de um ente querido e a morte do meu pai “em vida” (meio confuso né? Mas logo vão entender!). Obrigado mais uma vez pela atenção e caso tenham alguma dúvida que eu possa ajudar, meu e-mail é netocruz@live.ca.






Enquanto eu fazia essa postagem o telefone tocou, sai eu com as perninhas dura e fui atender. Assim que levanto a perna para subir o degrau dei um passo em falso, e fui de frente pra o chão, apoiei me na cadeira e caí em cima de um vaso de planta (foi engraçado até). AH! detalhe, fui atender o telefone (depois de toda essa cena) que ainda continuava tocando e adivinhem? Bem na hora do alô caiu a ligação. eu ia detalhar um pouco de como é viver sendo um esclerosado, as coisas acontecem nas horas certas.  Bom viver com a EM não é difícil, mas também não é mamão com açúcar. Tropeçar, cair, se desequilibrar quando for levantar, cansar, esquecer (não tanto mais), são coisas das quais começaram a fazer parte da vida com uma intensidade incrível. 
Cometer gafes é N A T U R A L do ser humano, se eu estiver com dente sujo, coquinha no nariz, remela, bafo, fedido, gritem, fale, sussurrem, faça sinal, mas pelo amor a vida me fale. Tem sempre uma frase que digo muito, “Faça as pessoas rirem com você, do que rirem de você”, gente é natural cometer gafes, ajudar o outro que é difícil. Lembro de quando caí no ponto mais movimentado da minha cidade (mas isso fica pra outro dia, rsrs) Boa noite. 
Postar um comentário